Rodolfo Vieira, a lenda do Jiu-Jitsu, aprendeu valiosas lições na rápida jornada do MMA para o UFC

MONTEVIDÉU, Uruguai – Rodolfo Vieira se tornará um dos maiores competidores de jiu-jitsu a entrar no octógono quando enfrentar o meia-pesado Oskar Piechota no UFC Uruguai, no sábado à noite. Ele passou por muito, apesar de que sua curta carreira no MMA pode indicar.

Cinco vezes campeão mundial de jiu-jitsu e ex-medalhista de ouro do ADCC, Vieira fez a transição para o MMA em 2017 e acumulou um recorde perfeito de 5-0 no esporte em apenas 28 meses. Ele admite que não esperava se tornar um lutador do UFC tão rapidamente, mas acredita que sua gloriosa carreira no jiu-jitsu deu um bom empurrão para a jaula de oito lados.

Vieira assinou com o UFC depois de derrotar o médio 10-0 Vitaliy Nemchinov em apenas dois minutos no ACA 96, a maior vitória de sua carreira, mas seu teste mais difícil veio quando ele não previu nenhuma luta. Poucos meses depois de estrear no esporte, o faixa-preta de jiu-jitsu foi um dos astros do Shooto Brasil 74 em 2017. Lutando em frente a familiares e amigos em sua cidade natal, Rio de Janeiro, Vieira estava pronto para atender a um aviso de Fagner Rakchal em um confronto de 83 quilos.

Vieira era um grande favorito, mas Rakchal, que tinha um recorde de 2 a 3 na época, forçou-o a cavar fundo naquela noite.

“Eu ainda não sei como ganhei essa luta”, disse Vieira ao MMA Fighting. “Eu nunca falei com ninguém sobre isso, mas passei por muitas coisas ruins durante o acampamento. Vou resumir para você: machuquei meu joelho e minha parte inferior das costas. Eu não treinei jiu-jitsu, apenas boxe. Eu não consegui nenhuma queda, nada mesmo.

“Eu também tinha uma bactéria no meu estômago e o médico me disse mais tarde que, se eu levasse mais tempo para tratar, poderia evoluir para um câncer. Tomei antibióticos por 25 dias e não consegui treinar. Chupou, cara. É por isso que não sei como ganhei essa luta. Eu nem sequer merecia vencer essa luta, mas eu acho que estava com tanta fome, lutando na frente da minha família e amigos, todos lá, que eu pensei, ‘eu não posso perder para esse cara aqui na frente deles, Eu tenho que submetê-lo.”

“A única maneira que eu poderia ganhar seria com uma finalização, mas eu o derrubei e não pude fazer m!#rda nenhuma. Foi horrível, cara, mas, no final, eu o submeti. Eu não pude acreditar, cara. É como você disse, eu tive que superar as dificuldades. Eu desloquei um dedo 10 segundos durante a luta … Essa luta foi horrível para mim. Eu ainda não acredito que ganhei.”

Outra lição que ele aprendeu naquela noite? Os fãs de MMA são diferentes.

Sempre que entrava em uma tatame para competir em um campeonato de jiu-jitsu, Vieira queria que seus colegas da GFTeam torcesse por ele nas arquibancadas. Ele era uma figura tão simpática no mundo das lutas que os competidores de outras academias acabariam torcendo por ele também.

Vieira tinha familiares e amigos no Upper Arena para apoiá-lo no Shooto Brasil 74. Ele era um nome popular no circuito de artes marciais, então outros o apoiariam contra o rival desconhecido. Quando Rakchal começou a mostrar e recortar Vieira nos pés, os cantos de “Rodolfo!” Não estavam mais chegando. Vieira ainda prefere fazer sua estréia no UFC em solo brasileiro ao invés de lutar em Montevidéu, mas sabe que é um grupo mais difícil de lidar.

“Eu gostaria de lutar em casa, com a torcida a meu favor, mesmo que a torcida do MMA seja um pouco fraca, torcem para quem está ganhando”, disse Vieira. “Eu estava lutando no Rio, onde nasci, e a maioria dos caras que estavam lá também eram do Rio de Janeiro. Eles estavam torcendo por mim, cantando o meu nome, e quando eu comecei a bater eles começaram a cantar “gordo, gordo”. Eu pensei ‘f * ck, eles já mudaram de lado’. É complicado, mas é o que é. Estou feliz, independentemente disso.

Levando em consideração os campeonatos mundiais da IBJJF, Vieira é o segundo maior grappler a entrar no Octagon atrás de Roger Gracie. E como muitos praticantes de jiu-jitsu já disseram no passado, Vieira também sente que está representando algo mais do que sua marca na jaula.

“Sempre usarei jiu-jitsu e representarei o jiu-jitsu em minhas lutas, porque foi isso que me trouxe até aqui e me fez quem eu sou”, disse Vieira. “Eu sei que as coisas acabarão se complicando e eu terei que estar pronto para usar outras coisas quando não puder usar meu jiu-jitsu.

“Eu tento não pensar no que eu fiz no jiu-jitsu, tento esquecer que sou o Rodolfo, cinco vezes campeão mundial de jiu-jitsu, e tento me ver como um cara normal no UFC, Alguém que trabalhou duro para ganhar seu espaço lá. Eu sei que tem algumas pessoas torcendo por mim, pessoas que me seguem desde os dias de jiu-jitsu, e eu estou feliz com o apoio deles. Mas eu tento não pensar muito sobre isso. Eu só quero treinar duro, fazer o meu melhor, ir lá e vencer. ”

Vieira começou a se destacar no circuito de jiu-jítsu quando era faixa-marrom derrotando os faixas-pretas de Abu Dhabi. “O Black Belt Hunter” agora se vê como “um quarto grau branco, querendo ganhar sua faixa azul no MMA”, e espera que uma vitória sobre Piechota possa levá-lo a esse nível no esporte.

%d blogueiros gostam disto: