Recém Faixas Pretas em Ascensão do Brasil

Com tantos talentos do Jiu-Jitsu se mudando para fora do Brasil, no lugar conhecido como “epicentro do esporte”, Califórnia, para estarem mais perto das grandes oportunidades oferecidas pelo maior mercado profissional do jiu-jitsu, o país que era, a certa altura, considerado a Meca do grappling, perdeu lentamente os holofotes para os novos talentos do Jiu-Jitsu.

Obviamente, existem ressalvas a essa afirmação. São Paulo continuou produzindo muitos talentos de alto nível, principalmente nas academias como a “Dream Arts Project” da Alliance e o PSLPB de Cicero Costha, que são incansáveis na criação de novos talentos de alto níveis. No entanto, a maioria dos atletas produzidos costumam deixar o país de origem em torno da faixa roxa / marrom, seguindo para os EUA ou Europa.

Essa migração deixou o mercado brasileiro de faixas-pretas um pouco à deriva. Sem dúvida, ainda há muito talento, no entanto, seja por questões de visto ou por falta de patrocínios, muitos desses atletas ainda são relativamente desconhecidos para o mercado externo. Por essa razão, escrevemos este artigo, para mostrar alguma potência de fogo real, à espera de ser lançada em um cenário internacional. Então, em nenhuma ordem específica.

MARCUS RIBEIRO
Academia: Alliance – Mooca
Peso: Super-Pesado

Desenvolvido no circuito de São Paulo, é um dos super pesos pesados mais emocionantes do esporte atualmente – Marcus Ribeiro: uma amostra física com um gás fantástico e um jogo agressivo, que lembra um pouco Marcus “Buchecha” quando o herói da Checkmat estava subindo as fileiras de Jiu-Jitsu.

Ribeiro acaba de ganhar a faixa-preta em (junho de 2019), tradicionalmente, seguindo um programa de competição diferente para a maioria dos atletas de alto nível de sua geração, o que melhor se adequa ao seu quadro. Ou seja, ele não costumava competir todo fim de semana. Marcus compete apenas cerca de 5-6 vezes por ano, mas quando o faz, ele faz valer a pena.

 

FABIO ALANO
Academia: Alliance – Mario Reis
Peso: Meio-Pesado

Um verdadeiro homem renascentista, Fabio “Kamikaze” é um lutador de vários talentos, tendo competido extensivamente em hapkido e karatê antes de sua carreira de Jiu-Jitsu, além de ser uma celebridade da mídia devido à sua aparição em um popular reality show de TV, bem como sua carreira de modelo. Desde que se dedicou ao jiu-jitsu, Alano está se esforçando, mudando todo o seu foco para o objetivo de estar entre os melhores do esporte.

Alano ganhou a faixa-preta este ano, depois de uma medalha de prata no Campeonato do Mundial na divisão de faixa-marrom, um lugar no pódio que tem um pouco de história: depois de sua passagem pelo já mencionado reality show, Fabio voltou à competição no Brasileiros (março), competição em que Alano sofreu uma grave lesão no joelho. Cuidando de sua lesão, Alano decidiu competir no Campeonato Mundial (final de maio). Embora fisicamente diminuído, Kamikaze chegou à final, que perdeu por uma decisão dividida dos árbitros.

MARCOS “PETCHO”
Equipe: B9
Peso: Meio-Pesado

Outra jóia escondida no circuito local de São Paulo é Marcos Petcho, um aluno da Academia B9 de Marcos Barbosa, que pegou a faixa-preta há quase 1 ano atrás. Apesar de imensamente talentoso, Marcos ainda não concorreu nos grandes shows nos EUA e no mundo afora, apesar de seu trabalho no Brasil ter parecido notável.

Muito orientado para a submissão, com a assinatura de sua marca registrada sendo o triângulo, o potencial de Marcos passa para o kimono e na categoria sem kimono, ambos conjuntos de regras com os quais Petcho está bem familiarizado. Marcos traz um estilo cheio de ação com bastante movimento, principalmente da guarda.

 

RODRIGO COSTA
Equipe: Felipe Pena (GB)
Peso: Pena

Um lutador, Rodrigo Costa é muito agressivo, durável e difícil de quebrar. Tendo passado um tempo considerável na faixa-marrom, viajando e competindo em todo o mundo, principalmente na Austrália, Costa voltou recentemente à sua base, Belo Horizonte, onde está novamente treinando com Felipe Pena.

Costa ganhou sua faixa preta de Preguiça no início deste ano, depois de ter atingido o chão com algumas performances fortes no circuito da IBJJF, inclusive na categoria de peso livre. Depois de uma carreira muito promissora como faixa marrom, esperamos vê-lo mais em um futuro próximo.

 

JULIA BOSCHER
Equipe: Soul Fighters
Peso: Médio

Aluna de Alexandre Salgado e Hugo Marques, um dos principais atletas / treinadores do Rio de Janeiro, Julia Boscher está em chamas no famoso circuito 021, uma boa forma que lhe valeu sua faixa preta no início deste ano, após um fantástico recorde na faixa marrom.

Uma poderosa passadora de guarda, o passe penetrante de Boscher fez com que muitos grandes guardas parecessem fáceis de superar, e sentimos que ela causará uma boa impressão no NoGi Worlds este ano, se ela competir no torneio.Boscher ingressou na divisão dos médios este ano, uma classe de peso que é imensamente fortalecida pela chegada de Julia e Thamara Ferreira este ano. Prevemos batalhas fantásticas entre esses dois faixas-pretas recentemente coroadas e a elite da categoria dos médios, como Ana Carolina Vieira, Luiza Monteiro, Samatha Cook, Laura Hallock e outras.

 


RAFAEL PAGANINI
Equipe: Alliance HQ
Peso: Médio-Pesado

Outro lutador de qualidade de São Paulo, Paganini está fantástico desde que chegou à faixa-preta no início deste ano e deve causar alguns transtornos no NoGi World Championship no final de dezembro.

Muito poderoso para esta classe de peso, Rafael joga pela finalização e possui um jogo versátil, tanto de cima quanto de baixo. Dado que ele chegou no meio da temporada de nogi do jiu-jitsu, ele mostrou que sem o kimono, suas costas estão muito no ponto, como é um jogo de guilhotina, embora ele seja igualmente bom com o kimono. Ansioso para assistir este jovem competir no futuro próximo.

 

THAMARA FERREIRA
Equipe: Cicero Costha
Peso: Médio

Estamos rezando para que Ferreira seja promovida a faixa-preta, pois sentimos que ela tem todas as ferramentas necessárias para se tornar uma grande estrela em nosso esporte. Uma poderosa jogadora de guarda que combina habilidade, destreza e força que são ferramentas necessárias para se tornar o pior pesadelo de um passador de guarda, e é exatamente isso que Thamara traz para os tatames.

Como faixa marrom, não havia muito o que Ferreira não conseguiu. Nacionais brasileiros, Campeonato Mundial, Open da Europa, entre outros, Thamara venceu.

Embora ela tenha acabado de entrar na cena de faixa-preta, seu primeiro torneio foi um sucesso absoluto, uma medalha de ouro no prestigiado Grand Slam de Los Angeles. Um sinal de boas coisas para o brasileiro.


Se você conhece um faixa preta que é casca grossa e deveria está aqui mencionado nessa lista, deixe um comentário que o adicionaremos na lista 😉

%d blogueiros gostam disto: